Na Prática a Teoria é Outra Rotating Header Image

July 4th, 2007:

Ha-Joon Chang

Ainda na Prospect, o economista famosão Ha-Joon Chang escreve algo que me parece muito parecido com o que o Brasil defende na OMC: o livre-comércio, a longo prazo, é uma beleza, mas todos os países desenvolvidos adotaram o protecionismo até serem fortes o suficiente para competir.

O argumento parece razoável, embora haja algumas inadequações: por exemplo, Chang afirma que o Brasil começou a adotar medidas neoliberais nos anos 80, o que não me parece verdade. Por outro lado, alguém pode discutir a premissa do artigo: o que deu certo no passado (o protecionismo) é o que dará certo agora? Talvez sim, talvez não.

Gordon Brown

Algumas visões de Gordon Brown, novo primeiro-ministro da Grã-Bretanha.

A sempre excelente Prospect faz uma edição especial sobre Brown o Intelectual. Lendo os artigos tem-se a impressão de um cara inteligente e CDF, que já foi fã do Gramsci, e tem uma certa fama de estar à esquerda do Blair, como acredita esse cara da LSE entrevistado pela Carta Capital. Por outro lado, foi o chanceler do tesouro que deu autonomia ao banco central, e parece tender mais para o lado mainstream na gestão da economia (que aprendeu na marra, meio como o Palocci, mas onde tem fama de entendido). E, vejam que interessante, parece ser um cara muito preocupado com a moral, na tradição da esquerda religiosa (Brown é membro da Igreja da Escócia), nessa vertente da esquerda que se preocupa com a dissolução da comunidade pelo individualismo, essas coisas. A crer nos artigos da Prospect, admira alguns autores da direita americana que escreveram sobre o assunto.

E, para complicar mais o quadro, é um dos caras que falam mais sério a respeito de ajuda internacional para o desenvolvimento (me lembro quando se comprometeu a comprar grandes quantidades de vacina para a malária, se alguém a descobrisse; a malária talvez tenha sido a doença que mais matou gente até hoje, mas ninguém descobre a cura, entre outros motivos, porque os consumidores em potencial são duros).

Finalmente: é, como o Blair, uma tremenda raposa política. Foi esperto o suficiente para apoiar o Blair e só derrubá-lo dentro do Labour quando viu que ia ganhar.

Aparentemente, Brown até que se saiu bem em seu primeiro question time, momento semanal em que o primeiro-ministro vai até a câmara dos comuns e fica sendo detonado pelo líder da oposição, enquanto os parlamentares de cada lado gritam “iiiihhhh!!”, “uuuhhhhh!!!!”, “eu não deixava!”, essas coisas de briga de recreio.